SoundCloud recebe US$ 169,5 milhões para não interromper as operações

Após a circulação de vários comentários sobre a possibilidade de fechar as portas, o SoundCloud recebeu um investimento para seguir com o negócio.
soundcloud

A demissão de quase metade dos funcionários que faziam parte da empresa e o encerramento das operações em dois de seus escritórios foram fatores que ajudaram a alimentar esses rumores. Apesar disso, Alex Ljung, que até então ocupava o cargo de diretor executivo da empresa, manteve-se firme durante esse tempo e afirmou que o “SoundCloud está aqui para ficar”.

Entretanto, agora vem a conhecimento de todos que o futuro da empresa estava dependendo de um investimento. Pois, sem ele, a empresa não teria recursos para continuar funcionando.

Nesse momento, com o valor de US$ 169,5 milhões recebido, a empresa terá chances de manter-se de pé, garantindo a manutenção da plataforma. Junto ao investimento surgem também alterações no comando do negócio. Alex Ljung deixa o cargo de diretor executivo, que agora passa a ser de Kerry Trainor, o qual já ocupou o mesmo cargo quando fazia parte da equipe do Vimeo.

Hoje utilizada de forma mais ampla, a plataforma de streaming musical surgiu em 2007, com o objetivo de permitir que os artistas compartilhassem às suas gravações para obterem algum retorno ou se unir a outros músicos em colaborações.

Um modelo de negócios que ainda enfrenta dificuldades, por ser voltado para artistas independentes ou para aqueles que ainda não são profissionais, como são os que compõem outra plataforma de streaming bastante conhecida, o Spotify.

E foi aí que se encontrou um dos motivos que resultaram no insucesso do negócio. Mesmo apresentando um perfil diferente do de grandes serviços de streaming como mencionado, os responsáveis pelo SoundCloud quiseram gerar concorrência direta com eles.

Planos para o futuro do SoundCloud

Agora, com um novo nome no comando, a situação pode melhorar por meio do foco no público certo. Segundo o novo CEO, a competição não será mais tão direcionada a concorrentes de grandes nomes.

A partir desse momento de dificuldade, obtendo um novo fôlego, a empresa precisa direcionar suas estratégias para o local certo. Há a necessidade de buscar o fortalecimento, aproveitando o conhecimento que a marca tem e o seu grande número de usuários, que já passa dos 175 milhões.

A história dessa empresa é exemplo de que nem os negócios que demonstram alta popularidade estão a salvo. Para que o empreendimento alcance bons resultados e tenha sucesso, é preciso orientar suas estratégias de acordo com o perfil para o qual o modelo do negócio é direcionado. Não adianta simplesmente tentar ultrapassar os rivais bem sucedidos e dar passos maiores que as próprias pernas.

Equipe EV